Ex-aluna de engenharia da Unicamp, com passagem pelo MIT, mostra nova fase na dança

Espetáculo será nesta quinta, às 19h, no IA

Daniela Pucci e Luis Bianchi, parceiros na profissão e na vida

Daniela Pucci acaba de retornar de uma turnê à Europa, onde levou espetáculos de tango a diversos países. Chegou ao Brasil no último domingo (15), para visitar a família. Na próxima quinta-feira (19), ela estará em Campinas para uma exibição no auditório do Instituto de Artes (IA) da Unicamp, às 19 horas. Vai apresentar o espetáculo História do tango, compartilhando o palco com o dançarino argentino Luis Bianchi. Eles farão uma viagem pela história do ritmo castelhano, desde a sua origem à sua evolução, utilizando como ferramentas todos os estilos de tango. Após o espetáculo, haverá um bate-papo de Daniela com o público sobre a sua carreira.

A história de Daniela antes da dança foi vivida como aluna da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) da Unicamp, uma das mais concorridas do país. Cursou Engenharia de Automação e fez o mestrado também na Unicamp sob orientação do professor José Cláudio Geromel. O doutorado realizou na Stanford University. E mais: venceu o estreito funil da engenharia, ao ser convidada para atuar como professora do Centro de Estudos e Pesquisa do Massachusetts no Institute of Technology (MIT), de Boston, nos Estados Unidos (EUA). Lá foi docente por três anos.

Daniela formou-se em 1997 como a melhor aluna da turma e ficou entre os dois melhores alunos da história da engenharia elétrica da Unicamp. Na Stanford University, recebeu dois prêmios no final do curso: do seu departamento (Management Science and Engineering), por ter apresentado o melhor rendimento acadêmico entre os alunos que se formavam naquele ano; e outro foi dado pelo Institute for Operations Research and Management Sciences (Informs) pela sua tese de doutorado, de 2002. Recebeu ainda convites para dar aulas nas Universidades de Columbia, Cornell, Georgia Tech e MIT – além do laboratório de pesquisa IBM Almaden, em San Jose.

Nos últimos anos, após ter vivenciado a prática docente intensamente, acabou conhecendo nos EUA Luis Bianchi, seu parceiro de tango, com quem se casou e teve uma filha. Começou a dançar, e não parou mais. Ambos viveram em Nova Iorque alguns anos e atualmente estão morando em Buenos Aires, onde têm um hostel. Lá recebem tangueiros de todo o mundo e ministram aulas. A vida mudou completamente para Daniela, desde que dançou pela primeira vez com Luis. Hoje se dedica inteiramente à dança, embora não tendo abandonado a engenharia. Ela, na verdade, acredita que pode fazer as duas coisas.

Junto com o marido desenvolveu uma metodologia de ensino na qual aproveita a sua formação em engenharia, matemática e piano clássico, e a formação de Luis, em massagem terapêutica. Eles acabaram priorizando a mecânica corporal, habilidades de improvisação e compreensão musical profunda. O objetivo, hoje, é ajudar os alunos a dançarem com mais facilidade e confiança, criando uma experiência agradável para os seus parceiros e encontrando sua própria voz no tango.

Segundo José Joaquín Lunazzi, ex-professor de Daniela na FEEC, sua aluna sempre teve desempenho excepcional na Engenharia de Automação, curso onde predominam alunos do sexo masculino. Ele acredita que optar pela dança foi uma decisão acertada, visto que Daniela estava muito consciente do que essa mudança poderia representar. “A sua vocação falou mais alto. Creio que ela está fazendo o que gosta: dançar. Vejo que esse trabalho então deve ser feito com a mesma excelência desde à época que estudou na Unicamp que, junto a outras bagagens, a fez ganhar o mundo”, disse.

PARTICIPE!

Espetáculo: HISTÓRIA DO TANGO
Dançarinos: Daniela Pucci e Luis Bianchi
Dia: 19/10, quinta-feira
Horário: 19h
Local: Auditório do Instituto de Artes da Unicamp – Rua Elis Regina, 50

A PREAC vem por meio deste, informar que devido a novas adequações no Sistema de Avaliações de Projetos PEC, teremos que alterar o cronograma previsto do 11º Edital PREAC – PEC 2017, conforme consta abaixo:

NOVO CRONOGRAMA

27/09 – Prazo final para os Coordenadores de área realizarem análise prévia
27/09 – PREAC realiza o envio dos projetos para os avaliadores via sistema
06/10 – Prazo final para os avaliadores devolverem a avaliação dos projetos
11/10 – Reunião para determinar o ranking final dos projetos aprovados
16/10 – Publicação do resultado final na página da PREAC – CAC

 

Bienal Sesc de Dança: “Protesto” no CIS-Guanabara

No sábado, dia 23, às 18 horas, no Armazém do CIS-Guanabara, será realizado o espetáculo Protesto, que apresenta a dança como forma de contestação para uma melhor conexão em tempos de crise e incerteza. Partindo dessa ideia, o Núcleo Artérias, dirigido pela coreógrafa Adriana Grechi, iniciou um estudo sobre diferentes práticas de transe, que resultou nesse espetáculo. Em suas pesquisas, o coletivo descobriu técnicas comuns a várias culturas, desde os Gnawas no Marrocos (confraria mística muçulmana de origem sufi) até rituais de Umbanda no Brasil. Assim, entrou em contato com o termo “protesto oblíquo”, usado pelo antropólogo escocês Ioan Lewis para designar transes empregados como estratégias de pessoas marginalizadas, caso de mulheres em sociedades patriarcais, para ter em algum tipo de visibilidade social.

‘Cotuca de Portas Abertas’ apresenta os cursos técnicos oferecidos pelo colégio

O Colégio Técnico de Campinas (Cotuca) abre as portas no dia 23 de setembro, das 9 às 17 horas. O objetivo é apresentar os cursos técnicos gratuitos oferecidos pelo colégio, bem como o funcionamento de seu processo seletivo. O Cotuca oferece cursos de três anos com ensino médio integrado, cursos de dois anos pós-ensino médio ou especializações técnicas de um ano. O exame será realizado no dia 3 de dezembro.

O Cotuca está na rua Jorge Figueiredo Côrrea, 735, Taquaral – Campinas. Mais informações na página do Colégio.

Muito além do entretenimento

A participação da Unicamp na 10ª edição da Bienal do Sesc de Dança, no período de 14 a 24 de setembro em Campinas, vai muito além de uma instituição que abrigará eventos numa vasta programação de espetáculos nacionais e internacionais, coreografias solos ou de grandes grupos, performances e lançamentos de livros. Na condição de única parceira que será palco de apresentações diárias, o momento é especial, não apenas de exibição de diferentes atrações, mas de reflexão sobre a dança como produtora de conhecimento e de investigação científica. Para a diretora de Cultura da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (Preac) e professora do Instituto de Artes (IA) da Unicamp, Verônica Fabrini, a participação da Universidade nessa programação é relevante, pois se trata de reconhecer a arte como campo de produção de conhecimento, algo muito além do entretenimento.

Foto: Reprodução

Oficina no CIS-Guanabara sobre desenho de observação está com inscrições abertas

A artista visual Isabelle Cedotti ministra no próximo dia 26 de setembro, das 14 às 16 horas, no CIS-Guanabara, a Oficina de Desenho de Observação. Durante o encontro, Isabelle apresentará alguns dos trabalhos que tem desenvolvido ao longo do seu processo de formação. A proposta é compartilhar aspectos das suas descobertas com a pintura e o desenho. Durante a oficina a artista convidará os participantes a desenharem juntos, com intenção de que o desenho seja acompanhado de um olhar curioso que investiga e observa atentamente aquilo que está a sua volta. A coordenação da oficina é da técnica em museologia Cristina Amoroso Lima Barros e do técnico administrativo Fábio Cerqueira.